Seu Escritório de Advocacia Está Preparado para Crescer?

Iniciar um escritório de advocacia não é tarefa fácil. Fazê-lo crescer de modo sustentável, no entanto, parece ser um desafio ainda maior para a maioria dos empreendedores. Estimativas do SEBRAE (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) apontam que algo em torno de 30% das empresas recém-abertas fecham suas portas em até 2 anos. Não há estatísticas seguras para o mercado jurídico, mas tudo leva a crer que os números não devem ser muito diferentes.
Tanto nossa experiência no setor como as estatísticas oficiais apontam a falta de instrumentos de gestão e planejamento como um dos motivos mais importantes para esta mortalidade.

Mas, afinal, como o planejamento pode ser decisivo para o crescimento de seu escritório?

Quando falamos em planejamento, todos concordam que ele é importante. Poucos, no entanto, têm clareza de quais problemas ele pode evitar. Menos ainda sabem como realizá-lo. A seguir, vamos explicitar três benefícios que ele pode trazer para seu escritório.

Reduzir a insegurança financeira. A maioria dos escritórios de advocacia de pequeno e médio porte administra suas finanças de modo muito simples, a partir do fluxo de caixa. Para seus sócios, o raciocínio se resume a: “se não temos caixa, não gastamos”. Se há dinheiro “sobrando”, vamos retirá-lo, afinal, nunca se sabe o dia de amanhã.

O problema com este pensamento é que ele direciona nossa visão para o curtíssimo prazo (a maioria dos fluxos de caixa permite enxergar até 15 dias à frente), além de mostrar apenas uma única variável de análise: os recursos em conta. Mas, como ficam as respostas para perguntas como:

  • Nosso escritório dá lucro? (não confunda lucro com caixa!)
  • Quais clientes de fato dão resultado? Quanto?
  • Como o prazo para o cliente pagar as despesas reembolsáveis, têm afetado nosso caixa?
  • Parece que quanto mais crescemos menos dinheiro temos em caixa. Por quê?
  • Qual o nosso grau de dependência de alguns clientes específicos?
  • Em um cenário pessimista da economia, como fica a situação financeira do escritório em 1 ano?
  • Idem à anterior, e em um cenário realista ou otimista?
  • Outras

Se em seu escritório estas perguntas parecem uma conversa de grego ou algo impossível de se saber, é hora de começar a planejar. Um bom planejamento financeiro pode garantir maiores retornos ao escritório, aumentar a previsibilidade de seu negócio e garantir a tranquilidade que você precisa para se concentrar no que realmente importa: a qualidade dos trabalhos e a satisfação de seus clientes.

Maior harmonia entre sócios

Na maioria dos escritórios que conhecemos, grande parte da energia dos sócios é despendida em questões referentes à gestão, que nunca foram discutidas apropriadamente. Veja se os itens a seguir lhe soam familiar:

  • Um sócio está entusiasmado com a conquista de um novo cliente, enquanto outro sócio vê isso como “mais um problema”, já que é um trabalho diferente daquele que o escritório realiza;
  • Na reforma das instalações, alguém sugere que devemos ter uma sede imponente, já que é importante demonstrar segurança aos clientes. Outro, sugere que o escritório deve ser simples e funcional;
  • Para prospectar negócios um sócio julga ser importante colocar no folder do escritório uma grande lista de diferentes trabalhos já realizados. Outros, pensam que devem ser descritos apenas as os trabalhos nos quais o escritório é realmente especialista, o que reforçaria sua expertise;
  • E assim vão as discussões noite adentro.

Estas questões parecem muito importantes e nossos clientes têm grande ansiedade de saná-las. Tão logo iniciamos o planejamento estratégico do escritório, no entanto, os sócios percebem que elas só podem ser respondidas adequadamente quando há um consenso profundo entre os mesmos sobre questões essenciais como:

  • Qual o posicionamento que se espera para a banca no longo prazo?
  • Que tipo de clientes e serviços realmente aproveitam melhor da capacidade do escritório?
  • Qual o ritmo de crescimento adequado para a firma?

Quando o planejamento estratégico não existe, facilmente estas discussões tomam um caráter pessoal. Os ânimos se acirram, o relacionamento entre os sócios se deteriora e muitas vezes tem-se o rompimento da sociedade.

Maior motivação entre os colaboradores. São frequentes as queixas dos gestores sobre o comprometimento das pessoas que atuam nos escritórios.

Em geral, diz-se que muitos deles trabalham o mínimo necessário para manterem o emprego, não veem a hora do expediente acabar para irem embora, e que muitos trocam o escritório por qualquer nova oportunidade que lhes acenem com dez por cento de aumento na remuneração.

Estudos mostram que para os bons profissionais a possibilidade de crescimento na carreira é um dos fatores motivacionais mais importantes. No entanto, como um escritório de advocacia pode acenar a seus colaboradores com esta perspectiva se o mesmo não possui um plano claro de expansão? Ao envolver seus colaboradores no planejamento estratégico da firma, observam-se inúmeros ganhos relacionados ao moral e à produtividade das pessoas, entre os quais destacamos:

  • Maior permanência dos bons profissionais no escritório;
  • Desligamento natural de pessoas com pouca afinidade à sua cultura e valores;
  • Pessoas mais orientadas à satisfação dos clientes;
  • Um clima de maior transparência nas relações, redução das fofocas e aumento da cooperação entre todos;
  • Entre outros.

Por fim, não queremos apresentar o planejamento como uma panaceia para todas as dificuldades de seu escritório. Nossa experiência mostra, no entanto, que ao realizá-lo adequadamente você pode aproveitar ao máximo os recursos da firma: o tempo e a energia das pessoas, os valores financeiros disponíveis, entre outros. Isso está longe de ser pouco. Planejar pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso da firma. Que tal começar agora?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *