Cinco motivos para Terceirizar o Processo de Recrutamento & Seleção

A terceirização de serviços não é algo novo na administração de empresas, embora muitos pequenos empresários ainda não usufruam de todos os seus benefícios.

É um processo de gestão pelo qual se repassam alguns processos auxiliares (atividades-meio) para terceiros – com os quais se estabelece uma relação de parceria. Assim a empresa pode se concentrar em sua atividade principal (atividades-fim).

No meio jurídico, a terceirização de serviços atinge, entre outras, a área de recrutamento e seleção. Proprietários de escritórios de advocacia, que antes passavam horas analisando currículos e entrevistando candidatos, hoje preferem repassar o serviço para uma consultoria empresarial especializada no assunto.

O escritório De Paula e Molina Sanches Advogados é um dos que têm se beneficiado dessa prática.

Como era antes?

No início de suas atividades (em 1998) o processo de seleção era feito internamente, mas com o crescimento do escritório, sentiu-se a necessidade de terceirizá-lo. “O custo x benefício da terceirização é extremamente vantajoso. Como temos uma relação bastante próxima com a nossa consultoria, os candidatos pré-selecionados já chegam dentro do nosso perfil. Contratamos desde office-boy, passando por estagiários e, principalmente, advogados especializados”, conta Renato Luis de Paula, sócio do escritório.

É o mesmo caso do escritório Amaral Bodra e Freitas de Carvalho, fundado em 2003 pelas advogadas Maria Eugênia Ferraz do Amaral Bodra e Mariana Freitas de Carvalho Flório Rosa. Especializadas em direito empresarial, elas também confiam à Consultoria o trabalho de recrutamento e seleção. “Passamos 50% do tempo cuidando da área administrativa da empresa e o restante estudando os processos. Por isso foi muito importante contratar uma empresa especializada em recrutamento e seleção que entendesse a nossa filosofia. Atualmente, quanto chega um candidato pré-selecionado dificilmente ele não se encaixa no perfil da empresa”, dizem.

Outro exemplo de escritório de advocacia bem sucedido que não tem mais a preocupação de selecionar currículos e entrevistar inúmeros candidatos é o Nishioka & Ribeiro de Almeida. O processo de seleção terceirizado foi responsável pela contratação de dois advogados, dois estagiários e uma secretária. “Depois que passamos a terceirizar a área de recrutamento e seleção, pudemos focar 100% no nosso negócio. Isso só fez com que a produtividade e a qualidade da empresa aumentassem”, relembra Ligia Cristina Nishioka.

Vale a pena investir tempo?

Segundo Sebastião de Oliveira Campos Filho, Diretor da Oliveira Campos Consultoria e Treinamento Empresarial, não é inteligente para um escritório de advocacia despender tanto tempo em um processo de seleção de pessoal. “Essa não é sua atividade fim”, argumenta o consultor, para quem os advogados devem concentrar suas energias em proporcionar boas soluções jurídicas aos clientes, restringindo ao mínimo necessário o tempo gasto com as questões administrativas, como o recrutamento e seleção.

O Consultor, que há mais de 12 anos recruta e seleciona profissionais para diversas empresas, inclusive vários escritórios de advocacia, adverte ainda que a atividade de recrutamento e seleção exige conhecimentos específicos, que em geral os advogados não possuem, como a habilidade de diagnosticar perfis de comportamento que são favoráveis ou desfavoráveis ao cargo em que estão.

Na prática, os advogados realizam um ‘bate papo’ com um ou dois candidatos, normalmente indicados por amigos, e acabam contratando o profissional com quem têm mais afinidade ou que possuem conhecimentos técnicos específicos procurados”, diz Sebastião de Oliveira. O problema é que ter afinidade, embora seja importante, não garante competência para realização do trabalho ou para ajudar no desempenho do escritório.

Entre os principais problemas de uma contratação equivocada estão a

  • Perda de tempo com o próprio recrutamento e seleção em si;
  • Desperdício de treinamentos realizados com o profissional;
  • Baixa produtividade do trabalho realizado pelo mesmo;
  • Conflitos com outros colegas;
  • Até mesmo a perda de clientes, devido a erros cometidos pelo recém-contratado.

Escolha com sabedoria

Apesar de existirem fortes argumentos para que um escritório terceirize as atividades de recrutamento e seleção de pessoas, esse processo deve ser feito com cuidado. É fundamental que a empresa terceirizada conheça o ambiente específico do escritório que procura um novo profissional, seus objetivos e dificuldades, como são as pessoas que nele atuam, para somente então procurar no mercado o profissional mais indicado a ocupar a vaga em aberto.

Há empresas terceirizadas que nunca sequer visitaram o escritório de advocacia para o qual estão procurando profissionais e outras que, por trabalharem de modo massificado, se limitam a enviar aos clientes candidatos avaliados de modo padrão”, constata Sebastião de Oliveira. Para o consultor, a terceirização desse serviço não é uma panacéia para todas as dificuldades dos escritórios, mas se for realizada de modo personalizado e por profissionais especializados, pode trazer ótimos resultados.

Essa constatação parece condizente com a realidade dos escritórios, De Paula e Molina Sanches, Nishioka & Ribeiro de Almeida e Amaral Bodra e Freitas de Carvalho, citados anteriormente e atendidos pela Oliveira Campos Consultoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *